Sim, minhas amigas!!!! Eu, você, nós todas estamos envelhecendo. É sabido que não há fórmula mágica contra a idade; todos os dias ela avança. Envelhecer e morrer são fatos que não mudam, mas o modo como vivemos, aí já é outra história. Traçamos a nossa vida baseada nas nossas escolhas e, acredito eu, se formos mais saudáveis, bingo! Sim, as chances de chegarmos a uma velhice melhor aumenta quando cuidamos mais da gente. Sei que não é tão simples assim, cada um tem o seu ritmo de vida e suas complexidades.

Mas, o fato é que estamos envelhecendo! Encarar as transformações, aceitar a realidade e adotar atitudes preventivas estão listadas no meu caderninho – e não é de hoje. O primeiro passo é estar bem consciente disso tudo e encarar com bom humor; não adianta chorar! Se o passar do tempo for algo muito difícil para você, talvez seja a hora de, humildemente, pensar em como aceitar a realidade. O fator emocional é o ponto chave que nos cura ou nos adoece e determina a qualidade da nossa vida.

A prática regular de exercícios também entra na jogada. Estudos evidenciam os seus benefícios no processo de envelhecimento saudável. Aprendo diariamente sobre isso me exercitando e entrevistando profissionais da área da saúde. Sei o quanto isto é importante para regular o nosso humor, diminuir o stress, fortalecer os músculos e os ossos, prevenir doenças cardiovasculares, diabetes, AVC, síndromes metabólicas e até mesmo as demências. Ginástica para o corpo e para o cérebro, amigas! O que faz sentido é escolher o que nos proporciona mais prazer. Dançar, correr, pular… com a orientação certa de um bom profissional de educação física, nossas células agradecem! Não podemos parar; é como escovar os dentes: quem já passou dos 40, 50, 60… uma semana sem ginástica e o corpo já reclama, engorda, as dores aparecem e o bom humor desaparece. Não podemos deixar que isso aconteça, não é mesmo?

Se a ideia é prolongar a jovialidade, precisamos encarar a atividade física aliada à alimentação mais saudável. Sou fã de carteirinha da agricultura orgânica, de alimentos não transgênicos e menos industrializados na mesa. Nada radical, mas tenho afeto pelo que escolho para comer porque sei o quanto pode, ou não, me fazer bem. E quando se fala em reeducação, é bem isso. Se não fomos bem educadas na infância, agora é a hora de consultar um profissional de nutrição ou um médico nutrólogo para refazer o cardápio. Introduzir novos sabores e aromas é uma experiência e tanto, diminuir os doces, os carboidratos e cortar refrigerantes pode ser difícil no começo, mas nada é impossível. Adestrar as papilas gustativas e o paladar leva em torno de três semanas. Tudo se aprende nessa vida. A orientação é sempre fazer uma dieta individualizada, e nada de regimes malucos, isso só atrapalha o nosso metabolismo e o resultado é o famoso efeito sanfona.

Para completar o kit rejuvenescimento, é necessária uma noite de 7 a 8 horas de sono. É nesse período que a gente renova uma série de funções essenciais para a saúde. A produção de hormônios proporciona a sensação de prazer e bem-estar, a fixação da memória, o controle do apetite, a melhora do desempenho físico e mental, benefícios que contabilizam a favor do nosso envelhecimento.

A tecnologia no mundo da beleza também está aí para dar uma força; vai depender do quanto estamos dispostas a gastar. Sou adepta, mas muito cuidadosa nessa área. É preciso cautela porque somos bombardeadas por anúncios com soluções milagrosas para eliminar rugas, celulites, flacidez e tudo o que se possa imaginar. As vezes parece ser um procedimento banal, mas as consequências podem ser desastrosas. É importante ter informação sobre o que está sendo aplicado no rosto e no corpo. A busca de um profissional qualificado, treinado e ético é o que pode garantir os melhores resultados.

Mas nem todas as mulheres estão preocupadas com as marcas na pele. Muitas entendem que todas as fases são bonitas. Viva a diversidade, a liberdade, o respeito às particularidades. Envelhecer bem é uma arte. Sejamos artistas!!!!

Laura Medina
Jornalista